Prefeito foi à Brasília em busca de recursos para Valadares

Prefeito André Merlo liderou comitiva que esteve na ANAC, Ministério da Educação (MEC) e Saúde

O prefeito André Merlo foi à Brasília nesta quinta-feira (9) em busca de projetos, recursos e mais oportunidades para Governador Valadares. Acompanhado pelos secretários municipais José Geraldo Lemos Prata (Educação), Jamir Calili (Fazenda e Planejamento), pelo deputado federal Hercílio Diniz e por Marco Aurélio Costa, assessor do senador Antônio Anastasia, esteve na Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), Ministério da Educação (MEC) e Saúde.

A visita começou pela ANAC onde o prefeito reforçou demandas voltadas para o aeroporto. No Ministério da Educação, se encontrou com o ministro Abraham Weintraub, que se disse sensibilizado com as dificuldades enfrentadas pelo Município e elogiou a manutenção da Escola em Tempo Integral, em todas as escolas municipais, como também a inclusão desenvolvida por meio do Centro Municipal de Referência e Apoio à Educação Inclusiva Zilda Arns (CRAEDI). Tanto é que em breve o MEC enviará uma equipe à Valadares para conhecer os trabalhos desenvolvidos.

“Também mostramos ao ministro que sanamos todas as pendências junto ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e agora, depois de mais de dois anos com problemas na prestação de contas, está tudo acertado, que o nome de Valadares está limpo junto ao MEC e pode receber recursos”, disse o prefeito.  A UFJF e mais verbas para a construção de creches estava na pauta com o ministro da Educação.

Ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o prefeito apresentou as dificuldades enfrentadas pelo Município que atende, além dos 51 municípios pactuados, outros da macrorregião, demanda que aumenta a cada dia. André Merlo lembrou que várias cidades, inclusive as não pactuadas, já diminuíram ou fecharam seus serviços na área da saúde, como é o caso de Caratinga e Teófilo Otoni, e os pacientes buscam atendimento em Valadares. Por isso ele pediu à Secretaria de Atenção à Saúde o aumento do teto de Média e Alta Complexidade (MAC) para compensar estes atendimentos extras, o extrapolamento.

“Essa é uma alternativa para não fecharmos serviços”, ressaltou o prefeito, lembrando que nada foi resolvido devido ao contingenciamento no orçamento da saúde pelo governo federal. O chefe do Executivo lembrou que a saúde é gerida em contratos tripartites – Município, Estado e União -, e embora a União tenha repassado 100%, o Estado envia apenas cerca de 25% do pactuado com o Município.

“Por isso pedimos aumento do repasse MAC. É para cobrir o que foi extrapolado”, explicou o prefeito que vem se empenhando na busca de recursos para todos os setores, em Belo Horizonte e Brasília. A equipe técnica do Ministério da Saúde prometeu analisar as demandas e agendar nova visita do prefeito.

Divulgação da Noticia – Secretaria de Comunicação e Mobilização Social GV – Foto   André Sousa/MEC