Polícia Civil prende suspeito evitando golpe R$ 95 mil em Contagem

Uma resposta rápida da Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) resultou na prisão em flagrante de um homem, de 30 anos, que negociava de forma fraudulenta um veículo avaliado em R$ 95 mil. Para tanto, ele se passou por produtor rural, apresentou documentos falsos e fez um pagamento antecipado de R$ 3 mil à concessionária, localizada no bairro Cincão, em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). A intervenção policial ocorreu na última sexta-feira (8/1).Segundo o delegado Clayton Ricardo da Silva, titular da 2ª Delegacia em Contagem, dias antes, uma mulher dizendo ser a esposa do suspeito, havia entrado em contato com um vendedor e combinado que o marido dela iria à agência para concretizar a compra. “Foi feita toda a análise dos documentos e, inclusive, o suspeito chegou a ter uma cédula de crédito bancário para financiar. Tão certo que teria êxito na abordagem criminosa, ele adiantou uma quantia (R$ 3 mil). O carro seria retirado na próxima semana”, conta.
Ainda de acordo com Silva, durante a negociação, funcionários da concessionária desconfiaram se tratar de fraude e acionaram a PCMG. “O suspeito utilizou os documentos, mas não teve proveito total do golpe em função da intervenção da polícia. Levantamos a real identidade dele, que se passava por outra pessoa, e tomamos conhecimento de que é um criminoso contumaz – já tem registros de antecedentes criminais diversos, com condenações por delitos patrimoniais, falsificação documental, violência doméstica e familiar, homicídio, dentre outros”, informa.

Nova área

O delegado completa que a equipe ainda apurou o envolvimento do investigado em outros registros de ocorrência na região do Triângulo Mineiro. “Acreditamos que ele tenha trocado sua praça de atuação para a Região Metropolitana recentemente. Foram feitos alguns levantamentos e nós temos notícias de outros expedientes que estão sendo tratados aqui na RMBH, basicamente com os mesmos moldes de atuação: ele se passa por terceiro, faz todo um aparato, cria um artifício para ludibriar as vítimas (revendedoras de automóveis) e poder obter vantagem ilícita”, descreve.

De acordo com Silva, foi representada ao Poder Judiciário a conversão do flagrante em prisão preventiva, considerando “o histórico e as circunstâncias do risco à ordem pública que se configurou nesse momento”. O delegado pontua que, além de evitar o golpe, a PCMG recuperou a quantia dada de entrada. “Nós orientamos que a concessionária separasse esse valor e representamos ao Juízo para que seja depositado judicialmente, porque provavelmente deve ser oriundo de outras ações criminosas”, conclui, ao dizer que as investigações prosseguem para identificar outros envolvidos no esquema.

O suspeito foi autuado em flagrante por uso de documento falso e tentativa de estelionato, sendo encaminhado ao sistema prisional, onde está à disposição da Justiça.