Manifestantes pedem liberdade de imigrantes em locais com Covid-19

Um juiz federal ordenou recentemente que crianças mantidas sob custódia do Departamento de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos (ICE, sigla em inglês) por mais de 20 dias devem ser libertadas até 17 de julho. Mas alguns manifestantes que protestaram pela reforma das leis de imigração, nos arredores da Prefeitura de Dallas, Texas, no sábado (27) dizem que a ordem não é o suficiente.

“Esta é uma vitória, mas também cria uma situação em que podemos ter mais trauma para essas famílias”, disse Sean Paul Segura, ativista comunitário. Ele foi um dos principais organizadores do protesto e recentemente concorreu a Deputado pelo 33º Distrito Congressional do Texas, perdendo nas primárias democratas. “O que precisamos é que os pais e os filhos sejam libertados”, afirmou.

A ordem judicial sustenta essencialmente o Flores Settlement Agreement, que exige que crianças em centros de detenção que não atendam a certos padrões de qualidade de vida sejam liberadas em 20 dias.

A ordem cita a disseminação do COVID-19 nos centros de detenção onde estão as crianças que devem ser libertadas até meados de julho. Dois dos centros estão no Texas e o outro na Pensilvânia.

De acordo com a ordem, 124 crianças estavam nesses centros até 8 de junho. Havia outras 507 nas instalações do Gabinete de Reassentamento de Refugiados até 7 de junho.

Entre as duas instalações do Texas, 15 pessoas foram diagnosticadas com o coronavírus. Onze deles estão detidos no centro de Karnes City, cerca de 88 quilômetros a sudeste de San Antonio, e os outros quatro são funcionários no centro de Dilley, a cerca de 112 quilômetros a sudoeste de San Antonio.

Os manifestantes do protesto de sábado seguravam cartazes dizendo “Fuck ICE” e “Families Belong Together”. Roberto Marquez, um artista conhecido por Robenz, montou uma de suas peças para servir de pano de fundo aos palestrantes da manifestação. Ele disse que sua arte é influenciada pelo seu ativismo.

Mecole Guerra, outro participante do protesto, disse que a ordem levanta mais perguntas do que respostas. “Não especificou para onde as crianças serão enviadas depois de libertadas”, disse ela. A ordem declara que as crianças devem ser liberadas para “patrocinadores adequados disponíveis ou para outros locais sem aglomeração e livres de COVID”.

Em nenhum ponto da ordem diz que elas serão liberadas para seus pais.

Guerra também disse que há muitas pessoas às quais esta ordem não se aplica e ela não sabe que esperança os outros têm de ser libertados em seguida.

Vários dos oradores, no sábado, incluindo Segura, também compareceram aos recentes e prolongados protestos locais contra a brutalidade policial.

Divulgaçao da Noticia – Site BrazilianTimes.com – Fonte Redação Brazilian Times – Foto Reproduçao Imagem Internet