Contra impeachment, entidades planejam greves; sem-teto prevê “convulsão”

manifestacao1

Movimentos sociais contrários ao impeachment da presidente Dilma Rousseff devem realizar uma série de ações pelo país até a votação no plenário do Senado, por enquanto prevista para o dia 11 deste mês. Greves, marchas, bloqueios de ruas e ocupações de órgãos públicos estão na pauta de entidades de esquerda.

Entre os movimentos que defendem a saída de Dilma, as manifestações devem ficar apenas para o dia da votação, já que há um sentimento entre eles que é certa a aprovação da continuidade do processo de impeachment.

Do outro lado, isso elevou a intensidade das manifestações. Os protestos começaram a ganhar força na última quinta-feira (28), quando o MTST (Movimento de Trabalhadores Sem Teto) realizou bloqueios em oito Estados. “Ali foi apenas um primeiro exemplo. Se continuar esse processo, se essa agenda [liberal] de fato for levada [adiante] e implementada no país, nós teremos uma verdadeira convulsão social, não protagonizada pelos movimentos sociais, mas pelos trabalhadores. Negar isso é não compreender a dinâmica da luta social no país”, disse Guilherme Boulos, líder do MTST, em entrevista coletiva no dia dos atos.

Os protestos organizados pelo grupo devem continuar até a votação no Senado e podem se agravar no caso de um eventual governo de Michel Temer (PMDB-SP).

Dia 10: previsão de greve em bancos e comércio

Os movimentos sociais estão unidos na “Frente Brasil Popular”, que congrega diversas entidades contrárias ao impeachment. O grupo lançou um calendário que prevê várias ações a partir desta quinta-feira (5), chamado de “Dia Nacional de Luta contra a Globo e o Golpismo Midiático”.

Na sexta, haverá mobilizações em Brasília, quando está prevista a votação do relatório na Comissão do Impeachment do Senado.

No dia 9, será instalada uma frente parlamentar em defesa dos direitos da classe trabalhadora.

O grande ato, porém, está marcado para o dia 10, quando está prevista uma paralisação nacional de bancos, fábricas e comércio, além de protestos em rodovias. O ato será na véspera da provável votação no Senado e será a “cartada decisiva” para tentar pressionar os senadores a rejeitarem a abertura de processo.

Ocupações no campo e estradas bloqueadas

Segundo o líder do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), Jayme Amorim, a união das entidades é uma estratégia fundamental neste momento para dar mais força aos atos. “A pauta não é mais do MST, é uma programação conjunta”, disse.

Já sobre a atuação de trabalhadores do campo, existem marchas e acampamentos ocorrendo em todo o país, especialmente nas capitais. “Estamos com ocupações a superintendências do Incra e com marchas que estão chegando e vão continuar nas capitais. E têm ocupações ainda para ser realizadas”, afirmou.

A frente também conta com pelo menos duas centrais sindicais. Em comunicado, a CUT (Central Única dos Trabalhadores) disse que “os próximos dias serão decisivos”.

“Novas manifestações de massa deverão ser realizadas, entre 9 e 11 de maio, pressionando o Senado a se posicionar contra a continuidade do processo de impeachment”, afirma em nota.

A CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) disse em nota que denuncia a “onda golpista que tenta acabar com os direitos do nosso povo”.

“A militância da CTB deve empreender todo o esforço para trabalhar na paralisação de bancos, fábricas, comércio, protestos em rodovias e outras iniciativas”, afirma o comunicado assinado pelo presidente da CTB, Adilson Araújo.

“BOTAR PITBULL NA RUA É FÁCIL. DIFÍCIL É TIRAR”, DIZ BOULOS, DO MTST