Brasil na Antártica: conheça as dificuldades da viagem ate nossa base

Estação Antártica Comandante Ferraz é uma base antártica pertencente ao Brasil localizada na ilha do Rei George, a 130 quilômetros da Península Antártica, na baía do Almirantado, na Antártida.

Brasil se prepara para reinaugurar a Estação Comandante Ferraz

No final do século 19, o Brasil aderiu ao Tratado da Antártica e deu início ao Programa Antártico Brasileiro (Proantar) em 1982. O programa contribui para o desenvolvimento da ciência com pesquisas nas áreas de oceanografia, biologia, glaciologia, geologia, meteorologia e arquitetura.

Em fevereiro de 2012, a Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF) sofreu um incêndio que destruiu 70% das instalações. Sete meses depois, começou a complexa 31ª Operação Antártica, com a missão de retirar os escombros e resíduos da EACF. A ação contou com a supervisão do Ministério do Meio Ambiente e inspetores de outros países para garantir a preservação ambiental na Antártica. Cerca de 900 toneladas de resíduos foram trazidas ao Brasil.

Sete anos depois do incêndio, o Brasil se prepara para reinaugurar a Estação Comandante Ferraz, previsto para janeiro de 2020. O repórter Mauricio de Almeida, da TV Brasil, acompanhou a viagem e conta o que viu por lá.

Rumo à Antártica – do calor do Rio de Janeiro (40°) ao frio do Polo Sul (-15°)

Para muitos, viajar para a Antártica é a realização de um sonho quase impossível. Afinal o continente gelado é a região mais isolada do planeta e chegar nele não é uma tarefa fácil. Além da distância, outros fatores dificultam a viagem como ventos que podem chegar a 200 quilômetros por hora e o frio intenso que deixa o mar Antártico congelado entre o fim de março e o início de outubro.

No meu caso este sonho se transformou em realidade quando me escalaram para fazer a cobertura da 38ª Operação da Marinha na Antártica. O motivo da viagem é acertar os últimos detalhes para a reinauguração da base polar Comandante Ferraz. A estação científica brasileira foi completamente reconstruída pelo governo federal, numa obra que custou quase US$ 100 milhões e será reinaugurada em janeiro do ano que vem.

Para chegar à Antártica existem duas opções: você pode ir de navio partindo da costa chilena ou argentina numa viagem que dura três dias atravessando o Estreito de Magalhães, uma das regiões mais turbulentas dos oceanos. A outra opção é voar da base chilena de Punta Arenas, a cidade que fica mais ao sul do continente. Nos dois casos, as viagens só podem ser realizadas entre outubro e março, que é o chamado verão antártico. Nós fomos de avião e seguimos um roteiro planejado com antecedência numa parceria entre a Marinha e a Aeronáutica. O contra-almirante Sérgio Guida, que é o gerente do Programa Brasileiro na Antártica, explica que todos os cuidados precisam ser tomados para evitar acidentes. “É uma grande honra o Brasil realizar esta operação porque é um local distante, inóspito, a dificuldade de logística é muito grande, mas o trabalho de logística está sendo de grande valia”, explica o contra-almirante.

O embarque rumo ao continente gelado foi realizado na Base Aérea do Galeão, que fica no Rio de Janeiro. Em dois dias vou trocar a temperatura, que nesta época do ano, já chegou a perto de 40 graus em terras cariocas pelo frio polar que, em novembro, costuma ficar em torno de 15 graus negativos.

O avião que vai ser utilizado é o Hércules C-130, uma aeronave guerra, construída nos Estados Unidos e que consegue pousar em pistas pequenas ou improvisadas. Por causa destas características, o Hércules é o único avião da Força Aérea Brasileira que pousa na Antártica. Antes do embarque, o comandante explica as normas de segurança, afinal o avião foi projetado para transportar tropas, equipamentos militares e mantimentos. Ou seja: ele é bem diferente de um avião comercial que estamos acostumados. Durante o voo, por exemplo, toda a comunicação do piloto com os passageiros é realizada com um toque sonoro de uma sineta que lembra uma buzina de bicicleta. Ao sinal deste som todos os passageiros devem sentar e afivelar os cintos porque ou vamos passar por uma área de turbulência ou estamos perto do pouso.

Entrando na aeronave você se sente como se estivesse num filme de guerra. As janelas são poucas e pequenas. Macas utilizadas em hospitais de campanha servem como base para colocar as malas que ficam misturadas aos passageiros. Os assentos são removíveis e ficam pendurados em barras de ferro que cortam todo o avião para agilizar uma mudança de configuração na aeronave porque nem sempre o Hércules transporta passageiros. Para aproveitar melhor o espaço a bordo as cadeiras são duplas e em cada lado do avião existem duas fileiras de assentos colocadas uma de frente para outra. Pode parecer estranho, mas estamos falando de uma aeronave de guerra, então todos os espaços precisam ser aproveitados. Outro detalhe é o ruído intenso, mas para amenizar este desconforto a tripulação distribui protetores de ouvido. Outra amenidade é o serviço de bordo com balas, chicletes, água, lanche e almoço. O Hércules pode ser barulhento e apertado, mas é um dos aviões mais seguros do mundo. Um gigante do ar que pode carregar 20 toneladas e desperta paixões entre os fãs da aviação.

Além de seguro, o voo no Hércules é suave e em três horas fizemos o trajeto Rio de Janeiro – Pelotas, no Rio Grande do Sul, no domingo (3). A escala é fundamental porque, no aeroporto, representantes da Marinha entregam aos passageiros um saco com as chamadas andainas, vestimentas especiais para proteger do frio Antártico. Semanas antes do embarque todos precisaram enviar para as Forças Armadas o tamanho das roupas que usam, e no aeroporto tudo já estva separado. Antes de seguir viagem é preciso experimentar cuidadosamente cada item. A andaina tem botas com revestimentos térmicos, macacão, casaco para neve, luvas e um óculos com lentes especiais para proteger a vista da claridade do continente de gelo. Esta checagem das roupas é realizada no próprio aeroporto. Você precisa vestir tudo e conferir se o equipamento de proteção está ok porque sem ele não é possível sobreviver na Antártica.

No primeiro dia de viagem, sábado (2), dormimos em Pelotas. Na manhã seguinte, acordamos cedo e às 9h decolamos para Punta Arenas no Chile. A segunda parte da viagem também foi calma e durou seis horas. No território chileno é hora de fazer a imigração e passar por uma revista rigorosa. Para evitar um desequilíbrio ecológico na Antártica qualquer tipo de comida ou de vegetal tem entrada proibida. Quem estiver com algum destes itens pagará uma multa pesada. Uma simples banana esquecida na mochila obriga o passageiro a desembolsar US$200, certamente vai ser a banana mais cara da vida. Nós fomos alertados antes sobre esta norma de segurança e entramos sem problemas no Chile.

Após o desembarque em Punta Arenas começava a parte mais aguardada e tensa da viagem. Ninguém sabe a que horas poderemos decolar para a Antártica. O comandante do Programa Antártico Brasileiro, contra-almirante Sérgio Guida, explica que é preciso aguardar a chamada janela quando o avião pode voar em segurança. O motivo da preocupação é que nesta época do ano são registrados os ventos mais intensos na região. O contra-almirante resume em uma frase como é chegar na Antártica: “Não é você que escolhe quando vai para a Antártica é a Antártica que decide quando você pode chegar nela”.

A viagem aérea foi confirmada por volta das 21h. Recebemos a informação de que a “janela” estava aberta e que na manhã seguinte embarcaríamos. Depois de dois dias faltava pouco para pisar na Antártica. Deixamos o hotel e seguimos para o aeroporto já com as roupas térmicas porque não é possível colocar o equipamento dentro da aeronave e precisamos desembarcar protegidos.

A viagem até a Antártica durou três horas e foi cercada de expectativa. Até para os mais experientes a sensação de voltar ao continente gelado impressiona como o tenente Moisés Mendes que já trabalhou durante um ano na Estação Brasileira na Antártica e agora está na parte de logística da Marinha, departamento responsável pelo planejamento da viagem. “A Antártica é um lugar único e representou uma experiência fundamental na minha formação militar”, conta o tenente.

Se quem já ficou um ano na Antártica se emociona imagina quem vai chegar pela primeira vez como eu. O sinal sonoro da sineta indica que vamos pousar. A aterrisagem numa pista de gelo só pode ser realizada por pilotos experientes.

Avião no chão! Hora do desembarque. Enfim vamos pisar no gelo antártico. Descendo a pequena escada do Hércules parece que mergulhamos em outro mundo. Um continente branco com geleiras imponentes. Aqui as regras de preservação da natureza são rigorosas. Você não pode se aproximar de nenhum animal e nem retirar nada do local. As exceções acontecem apenas para pesquisadores autorizados.

Depois de uma caminhada rápida a viagem ainda não acabou. O avião pousou na pista da base chilena então precisamos entrar num barco para chegar na estação brasileira. Navegamos ao lado de geleiras no navio polar Almirante Maximiliano, carinhosamente chamado de tio Max. Além de auxiliar nos deslocamentos, a embarcação brasileira também é um centro de pesquisas que coleta dados do oceano. Três horas depois chegamos na praia brasileira na Antártica e depois de uma viagem de aventura agora vai começar a nossa missão visitar e conhecer a nova Estação Comandante Ferraz.

* O repórter viajou a convite da Marinha Brasileira

Divulgação da Noticia – Site AgenciaBrasil.EBC.com.br – Edição: Liliane Farias – Mauricio de Almeida – Repórter da TV Brasil *  Antártica – Foto Alan Arrais/NBR/Agência Brasil