Apoiadores de Guaidó deixam embaixada venezuelana em Brasília

Um grupo de cerca de 20 pessoas entrou hoje (13), por volta das 5h na Embaixada da Venezuela, em Brasília

Grupo ficou por cerca de 13 horas dentro do local

O grupo de apoiadores de Juan Guaidó que invadiu, na madrugada de hoje (13), a Emabaixada da Venezuela em Brasília, deixou o local, por volta das 17h30. Os apoiadores de Guaidó, que faz oposição ao governo de Nicolas Maduro, pediam que a embaixadora e a equipe diplomática indicada por Guaidó para a representação no Brasil assumissem de fato suas funções na embaixada.

Diante da situação, apoiadores de Nicolás Maduro dirigiram-se à embaixada para acompanhar de perto a situação. Alguns políticos também foram ao local para intermediar as negociações, bem como o coordenador-geral de Privilégios e Imunidades do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Maurício Correia.

No início da tarde, o presidente Bolsonaro se manifestou pelas redes sociais e repudiou a interferência de atores externos no conflito do país vizinho.

Entenda o caso

A situação política na Venezuela se agravou após a eleição de Maduro para um novo mandato, que é contestada pela comunidade internacional. Ele tormou posse, em 10 de janeiro, perante a Suprema Corte. Para o Brasil, o Grupo de Lima (que reúne 14 países) e a Organização dos Estados Americanos (OEA) o mandato de Maduro é ilegítimo. Em 23 de janeiro Juan Guaidó se autoproclamou presidente do país. O Brasil foi um dos primeiros países a reconhecer Guaidó como líder do país.

Em fevereiro, Guaidó indicou Maria Teresa Belandria como representante da Venezuela no Brasil. Em junho, o presidente Bolsonaro recebeu as credenciais da representante. A embaixadora e sua equipe, no entanto, não assumiu a representação física da Embaixada.

Edição: Denise Griesinger