Mais uma – Elas fizeram a diferença na tragédia de Brumadinho

Matéria Dia da Mulher. Sargento PM Gisele Bertucci da PM Rodiviaria MG. Data: 07-03-2019. Foto: Renato Cobucci / Imprensa- MG

Sargento PM Gisele Bertucci – Polícia Militar Rodoviária

A sargento Bertucci considera Brumadinho o pior local onde atuou, pelo número de mortos e pela situação vivida por todos. Ela chegou cerca de uma hora após o rompimento da barragem e foi a responsável pelo cerco e bloqueio de carros nas rodovias de acesso ao local da tragédia. Além disso, ficou incumbida de impedir que familiares, moradores e curiosos chegassem próximo da região afetada.

“Nessa hora, as pessoas, por mais que queiram ajudar, acabam prejudicando. E podem aumentar o número de vítimas”, diz.

O que parece ser fácil, segundo ela, provoca reações inesperadas e mexem com o coração de qualquer um. A sargento lembrou o caso de um senhor que, apareceu pedindo para que o deixassem passar, pois precisava salvar sua família. Chegou a se ajoelhar e implorar pelo amor de Deus para que o liberassem. A sargento Bertucci ressalta que, mesmo impactada diante daquela situação, tem que fazer o seu trabalho. Felizmente, depois foi informada que todos os familiares daquele senhor aflito se salvaram.

“A mulher tem mais sensibilidade do que os homens, mas, em situações como a da tragédia de Brumadinho, temos de nos manter serenas para evitar que os sentimentos aflorem, além do normal. Todas nós sofremos com o impacto de tragédias como essas”. Desta forma, a 3º sargento Gisele Bertucci resumiu sua participação no pós-rompimento da barragem em Brumadinho.

“Minha área de atuação sempre foi Saúde, mas, desde 2016, estou no Batalhão de Polícia Militar Rodoviária”, conta. Ela está na Polícia Militar, desde 2009, incentivada pelo marido, também militar.

Agencia Minas – Divulgação do Trabalho das Mulheres